Qual a quantidade ideal de ingestão de proteína?

Para saber a quantidade ideal de proteína que devemos ingerir diariamente, vamos saber um pouco de como esse processo funciona:
As proteínas atuam formando músculos, protegendo as células, controlando reações químicas entre outras funções. Quando ingeridas as proteínas são quebradas em aminoácidos que são absorvidos do intestino pra corrente sanguínea e conduzidos aos locais onde serão utilizados como matéria prima na construção de outras proteínas. Existem 20 tipos de aminoácidos diferentes, 12 deles nosso organismo consegue produzir através de outros nutrientes e outros 8 restantes devem ser ingeridos através da alimentação, são os chamados aminoácidos essenciais.

O consumo de proteína animal varia de acordo com a cultura ou nível de atividade física do indivíduo. Não se pode dizer que o excesso no consumo de proteína animal cause sempre problemas. Observou-se em algumas sociedades (esquimós e tribos africanas) que o consumo de proteína animal chega a 35% e os níveis de colesterol no sangue são baixos (nós ingerimos de 7 a 14% seguindo as DRIs). Em alguns trabalhos realizados em meu consultório quando o paciente objetiva hipertrofia chego a administrar 25% de proteína na dieta.  Essas porcentagens dependem muito do nível de treinamento, da intensidade colocada nos treinos e biótipo do indivíduo.
Temos que por em mente que a máxima de QUANTO MAIS MELHOR não se aplica aqui, tudo tem seu limite.Estudos feitos no American College of Sports and Medicine (ASCM, 2000) concluíram que as necessidades protéicas de indivíduos muito ativos são maiores 1,6 -1,7g/kg de peso corporal.Meyer et al., apud MONTILLA; ALDRIGHI, MARUCCI (2004) mostraram em seus estudos significante associação positiva de consumo de proteína com  risco de fratura de quadril e ingestão de cálcio menor que 400mg, em ambos os sexos pode ser devido ao excesso de consumo da proteína que exerce efeito deletério quanto a absorção de cálcio seja por estimular as perdas excessivas ou por acelerar a função renal com o avanço da idade. Geralmente tais dietas ricas em proteínas são baixas em carboidratos, substratos esses importantíssimos para estoque de glicogênio muscular antes, durante e reposição pós treino, sem falar nas vitaminas e minerais, na água enfim.
O ideal mesmo é procurar ajuda de um profissional nutricionista para elaboração do seu cardápio para que através das quantidades exatas para cada tipo de metabolismo seja realizada a distribuição necessária de nutrientes.
Luciane Vieira
Nutricionista e Atleta Probiótica
Be Sociable, Share!

Esta entrada foi publicada em NUTRIÇÃO e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta